quinta-feira, 22 de junho de 2017

(des)caminho


Deixa-me curvar
nesses caminhos
que são teus limites,
desculpas no teu seio,
regaço só meu.

Permite-me desbravar
esse jardim
desabrochado no desejo
a perder de vista
pois se me cegas
com tua pele
colada à minha.

Desculpa-me o rasgo
que te abro e fecho
em ritmo só nosso,
descaminho perfumado
em sinuosidades perfumadas
aqui e ali.


8 comentários:

Francisco disse...

Gostei muito :)

Beijos

Cidália Ferreira disse...

Que bonito!! :)

Beijinhos

Maria Silva disse...

lindo, amigo!
Inspirado!

Pedro Coimbra disse...

Às vezes é bom sair do caminho, explorar um bocado o que está à volta.
Bfds

emanuel moura disse...

Exuberante querida amiga, amei demais querida amiga, beijinhos muitas felicidades

Demian disse...

No perdamos de vista lo mas fundamental en este camino... Hermosa tu entrada Perola. Un beso enorme

Graça Pires disse...

Excelente poema com uma sensualidade muito contida. Gostei imenso.
Beijos.

Manuel Luis disse...

Lindo este teu jardim.
Bjs