sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Mordida



Saltito sobre forças,
 indomaveis,
de te apertar,
de te ter,
em minha essência,
deixando-me escorrer
nos teus lábios,
pela ternura suave
de te sentir em mim.

Apeteces-me,
 em pedaços,
mordido em minha boca,
salivando em antecipação,
agarrando em minhas mãos
o prazer,
de me ser,
em intensidades sem medidas,
com ganas de te beijar,
furiosa
na eternidade 
da pele apertada,
vincada
por carícias descompostas

São inconveniências,
supostos nascidos,
de atentados
ao desejo
desventrado
em minha língua
desnorteada,
alma de vida própria
nesta busca de ti.

Viajo em velocidades
enlouquecidas,
perdidas em apeadeiros calmos
onde o teu olhar me espera
porque meu querer
te quer abocanhar
em totalidades
fragmentadas
numa mordida aqui,
noutra acolá




9 comentários:

Edumanes disse...

Se é que te sentes bem a saltitar,
não fiques queda, Margarida continua
os desejos à toa não os deixes abalar
guarda-os com a felicidade que é tua!

Tenhas uma boa noite e bons sonhos.

Eros disse...

Bom fim-de-semana, Querida Pérola!

emanuel moura disse...

Maravilhosa querida amiga sempre uma preciosidade os seus momentos ,desejo-lhe um fim de semana muito feliz ,beijinhos no coração

Cláudia disse...

Uau, muito bom =)
Que sexy =)

Beijocas

Francisco disse...

Muito bom,

Beijos

Pedro Coimbra disse...

Dentadas só às minhas filhas quando eram pequeninas.
Boa semana

Graça Pires disse...

O sulco iluminado dos desejos onde quase tudo é um aconchego íntimo... Sensualidade à flor da pele.
Uma boa semana.
Beijos.

Élys disse...

Um criativo poema inspirado numa mordida aqui outra acolá.
Beijos.
Élys.

Rosa Carioca disse...

Já tinha saudades de passar por aqui!